RSS

    Judiciário prepara pacote de medidas para agilizar as recuperações judiciais

    Judiciário prepara pacote de medidas para agilizar as recuperações judiciais


    Integrantes do Judiciário preparam um pacote de medidas para agilizar o processo de recuperação judicial de empresas no País, considerado hoje excessivamente moroso. Em média, em São Paulo, são 567 dias (cerca de um ano e meio) entre a Justiça...

    Integrantes do Judiciário preparam um pacote de medidas para agilizar o processo de recuperação judicial de empresas no País, considerado hoje excessivamente moroso. Em média, em São Paulo, são 567 dias (cerca de um ano e meio) entre a Justiça aceitar o pedido de recuperação de uma empresa e apreciar o plano de reestruturação por ela apresentado - aprovando-o ou rejeitando-o. Esse prazo deveria ser de, no máximo, 180 dias, indica a lei atual.

    Na avaliação do Judiciário, essa demora coloca em risco a sobrevivência da empresa. Quando está em situação financeira difícil e não consegue mais honrar seus pagamentos, uma companhia pode requerer a recuperação, que é uma proteção dada a ela pela Justiça contra a execução de suas dívidas. 

    A ideia é que a empresa possa ganhar tempo para apresentar um plano de reestruturação e renegociar seus débitos com credores. Em geral, quando chega esse ponto, a companhia já está com pouco dinheiro em caixa e com problemas para tocar suas atividades. Por isso, se o processo levar muito tempo, a empresa pode acabar quebrando antes de concluir a recuperação judicial, dizem especialistas.

    O pacote de medidas em gestação pelo Judiciário tenta dar uma resposta à morosidade do processo. Liderado pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Luis Felipe Salomão, o grupo criado no âmbito do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) vai propor, entre outras medidas, a criação de varas regionais especializadas para processar as recuperações judiciais.

    Nessas varas, o tempo médio até a aprovação do plano de recuperação é de 407 dias, ainda longe dos 180 dias previstos na legislação, mas menor que os 567 dias verificados em médias nas varas comuns, segundo estudo realizado no Estado de São Paulo pela Associação Brasileira de Jurimetria e pelo Núcleo de Estudos de Processos de Insolvência da PUC-SP. A taxa de aprovação dos planos de recuperação também é maior quando eles são analisados nas especializadas: é de 81%, frente à taxa de 71,3% nas comuns.

    Atualmente, há poucas varas especializadas no País. Uma delas é a 1.ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais em São Paulo, que comanda o processo da companhia aérea Avianca Brasil, por exemplo. 

    A princípio, a comissão pretende dar prazo de dois anos para que Estados que preencherem os critérios de criação de novas varas se adaptem à resolução. Ela ainda terá de ser aprovada pelo plenário do conselho, assim como os demais textos que estão sendo elaborados.

    Nova lei
    O Brasil passou a contar com uma lei de recuperação judicial e falência em 2005. O instrumento se popularizou e, nos últimos anos, o País assistiu a casos bilionários de recuperação judicial, como o da OGX, petroleira de Eike Batista, da telefônica Oi e da empresa de aluguel de sondas Sete Brasil. 

    Vários gargalos, no entanto, foram sendo percebidos durante os 14 anos da vigência da legislação e passaram a ser alvo de críticas de empresas e de advogados especializados no tema. No ano passado, o governo Michel Temer chegou a mandar ao Congresso um projeto de lei com mudanças na legislação. A medida era defendida pelo então ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, como forma de ajudar na recuperação da economia. A proposta, porém, não caminhou no Congresso.

    O governo Jair Bolsonaro também entende que a revisão nas regras é necessária. Segundo o secretário especial da Fazenda, Waldery Rodrigues, já há um "diálogo intenso" com o Congresso para que mudanças sejam feitas ainda neste ano. Ele não detalhou, porém, qual será o teor desse novo projeto. 

    Alguns dos problemas podem ser resolvidos com a atuação do CNJ, sem necessidade de decisões do Parlamento, avaliou Salomão ao Estadão/Broadcast. Por isso, o CNJ criou a comissão em dezembro passado. Ela é formada também por integrantes do Tribunal Superior do Trabalho (TST), desembargadores dos Tribunais de Justiça de São Paulo e Rio de Janeiro e advogados.

    Documentação
    Além de criar varas especializadas, o grupo vai padronizar iniciativas que não estão previstas na lei de recuperação, como a verificação prévia e a mediação. A verificação prévia é usada para constatar se a documentação da empresa está correta e se ela tem capacidade de gerar os benefícios previstos na lei de recuperação, podendo captar tentativas de fraude contra credores

    O ato do CNJ serviria para uniformizar como a verificação deve ser feita entre os magistrados que optem por utilizá-la, não tendo o condão de obrigá-los a adotar a prática. 

    "Vai ter mais previsibilidade e os credores saberão como funciona", disse Daniel Costa Carnio, juiz auxiliar da Corregedoria Nacional de Justiça.

    Segundo o magistrado, a padronização pelo CNJ trará também um limite de cinco dias para a realização da verificação, o que impede que a medida se prolongue além do razoável, atrasando os planos da empresa.

    O estudo feito pela ABJ aponta que a prática aumenta as chances de um processo de recuperação ser aceito pelo juiz. Nos casos sem verificação prévia, o número foi de 63%, frente aos 81,7% em processos em que a prática foi adotada.

    Há, no entanto, críticas à iniciativa. A advogada especializada em direito empresarial do escritório Martorelli, Fabiana Nunes, entende que a intenção do CNJ é boa, mas acredita que uma padronização teria de ser feita via alteração legislativa.

    Mediação
    O CNJ quer estimular ainda o uso da mediação, que foi usada no processo de recuperação da Oi. Na mediação, uma terceira pessoa atua para resolver impasses entre os credores e a empresa devedora. No caso da Oi, o recurso foi utilizado em várias etapas, como na relação com os pequenos credores e até mesmo em discussões entre os acionistas, explicou a advogada Samantha M. Longo, do escritório Wald, Antunes, Vita, Longo e Blattner Advogados, que atuou no processo da operadora de telefonia.

    Assim como a verificação prévia, a mediação não está prevista atualmente na lei de recuperação judicial. Por conta disso, o texto que a comissão do CNJ pretende aprovar deve ter caráter somente de recomendação, e os juízes não terão de segui-la. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Mototaxista é morto por falso passageiro em São Caetano

    Mototaxista é morto por falso passageiro em São Caetano


    O mototaxista Adson José da Cruz Souza, 37 anos, foi morto por um passageiro na noite de sexta-feira (24), no bairro de São Caetano. De acordo com a família da vítima, o crime aconteceu na localidade conhecida como Praça Nova, enquanto Adson...

    O mototaxista Adson José da Cruz Souza, 37 anos, foi morto por um passageiro na noite de sexta-feira (24), no bairro de São Caetano. De acordo com a família da vítima, o crime aconteceu na localidade conhecida como Praça Nova, enquanto Adson trabalhava. 

    Ele foi atingido por um tiro na nuca. Segundo testemunhas, a moto vermelha do mototaxista (placa OVA-4408) foi levada pelo autor dos disparos. A polícia, no entanto, ainda investiga se o caso foi um latrocínio (roubo seguido de morte) ou homicídio, de acordo com o delegado Nilton Borba, titular da 4ª Delegacia (São Caetano). 

    Além da unidade, o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) também investiga a situação.

    Adson foi morto por um falso passageiro (Foto: Reprodução)

    “Estou com o pessoal em campo, e soubemos que foi um passageiro que ele pegou na rua. O que chegou para nós foi que ele não teria reagido (a uma eventual tentativa de assalto)”, afirmou o delegado.

    O crime aconteceu próximo à casa da mãe da vítima. “Estou chocado. Ele não tinha inimigos. Era um homem devotado à família”, disse, ao CORREIO, um parente de Adson que não quis se identificar, neste sábado (25), na sede do Instituto Médico Legal Nina Rodrigues. 

    Em nota, a Polícia Militar informou que policiais da 9ª Companhia Independente (Pirajá) foram acionados após uma denúncia de que um homem havia sido atingido por disparos de arma de fogo após ter sido roubado na Ladeira do Cacau em São Caetano. "A guarnição se dirigiu ao local informado e constatou a vítima já sem sinais vitais. Foi realizado o isolamento da área e feito o acionamento do Serviço do Investigação em Local de Crime (SILC) para as medidas legais e periciais necessárias", informou a corporação, em nota. 

    Pai de quatro filhos
    Casado e pai de quatro filhos, Adson era mototaxista há pelo menos cinco anos, de acordo com o presidente do Associação dos Mototaxistas Profissionais da Bahia (Asmoto). Ele era um dos associados da entidade e costumava rodar na região de São Caetano. 

    “O que a gente soube, na associação, é que o assaltante pegou a corrida na Fazenda Grande. Ao descer a Ladeira do Cacau, no segundo quebra-mola, ele anunciou o assalto”, explicou. 

    Ainda não há informações sobre o horário nem o local do sepultamento de Adson. 

    Taxista é preso em flagrante com 10 quilos de maconha prensada

    Taxista é preso em flagrante com 10 quilos de maconha prensada


    Um taxista foi preso em flagrante nesta sexta-feira (24). Segundo a Secretaria da Segurança Pública do Estado (SSP-BA), Antônio Carlos Albues de Jesus, 27 anos, foi preso por policiais do Pelotão de Emprego Tático Operacional (Peto) da 41ª...

    Um taxista foi preso em flagrante nesta sexta-feira (24). Segundo a Secretaria da Segurança Pública do Estado (SSP-BA), Antônio Carlos Albues de Jesus, 27 anos, foi preso por policiais do Pelotão de Emprego Tático Operacional (Peto) da 41ª Companhia Independente da Polícia Militar (Federação) por transportar cerca de 10 quilos de maconha prensada. 

    Os policiais estavam fazendo rondas no Engenho Velho da Federação quando decidiram abordar o táxi dirigido por Antônio Carlos (um Chevrolet Prisma, placa PKI-6040). Ao averiguar o banco traseiro do automóvel, os PMs encontraram oito tabletes de maconha.

    A maconha foi encontrada no banco traseiro do táxi (Foto: Divulgação SSP)

    Antônio foi preso em flagrante e levado à 7ª Delegacia (Rio Vermelho). 

    "Determinamos a ampliação das abordagens a táxis com ou sem passageiros, atendendo a uma reinvidicação da categoria. As guarnições estão de parabéns pela ação rápida", afirmou o comandante do Policiamento na Região Integrada de Segurança Pública (Risp) Atlântico, coronel Manoel Xavier.
     

    Procuradoria diz que novo decreto mantém brecha para aquisição de fuzis

    Procuradoria diz que novo decreto mantém brecha para aquisição de fuzis


    Em nova manifestação, a Procuradoria da República dos Direitos do Cidadão afirmou que o novo decreto de armas do governo Jair Bolsonaro não apenas manteve, como agravou as ilegalidades do anterior. A nota técnica, assinada pelos procuradores...

    Em nova manifestação, a Procuradoria da República dos Direitos do Cidadão afirmou que o novo decreto de armas do governo Jair Bolsonaro não apenas manteve, como agravou as ilegalidades do anterior. A nota técnica, assinada pelos procuradores Déborah Duprat e Marlon Alberto Weichert, aponta que o texto retificado pelo Planalto mantém a possibilidade de aquisição de alguns tipos de fuzis.

    Documento
    Os procuradores afirmam ser importante 'ressaltar que alguns fuzis semiautomáticos continuam sendo de posse permitida por qualquer cidadão, assim como espingardas e carabinas, pois são armas portáteis de uso permitido'.

    "Ou seja, qualquer pessoa poderá adquirir e manter em sua residência ou local de trabalho armas de alto potencial destrutivo. Apenas não poderá portá-las, ou seja, levá-las consigo fora dos referidos espaços privados", dizem.

    De acordo com os procuradores, 'à exceção da reversão parcial da autorização de porte de fuzis, da vedação à consideração de armas de acervo de colecionadores como justificativas para a aquisição de munições, da revogação do dispositivo que ampliava a possibilidade de porte de armas em aeronaves e da exclusão de pessoas menores de 14 anos da autorização para prática de tiro esportivo (o que, todavia, não soluciona a ilegalidade decorrente da autorização de prática por menores de 18 anos), a nova disciplina não só manteve a inconstitucionalidade e ilegalidade que afeta o Decreto 9.785/19, como em diversos aspectos agravou a violação à Lei 10.826, de 2003'.

    Segundo a PFDC, o novo decreto, a exemplo do anterior, 'foi editado sem qualquer diálogo com entidades e organizações da área da segurança pública e, pior, à margem do Sistema Único de Segurança Pública - SUSP, aprovado pela Lei 13.675/2018'.

    "Também ampliou o extenso rol de pessoas que poderão ter porte de arma, em razão do exercício profissional, para incluir os advogados em geral (na versão anterior eram apenas os advogados públicos), o que perfaz um universo de mais de 1 milhão de pessoas, além dos proprietários de empresas de segurança privada e de transporte de valores, ainda que não participem da gerência do negócio", sustentam.

    Os procuradores afirmam que 'também se observa uma nova expansão nos limites de munição que podem ser adquiridas'. "Em alguns casos, inclusive, sem que haja limite, como ocorre com integrantes dos órgãos de segurança para suas armas institucionais (o que parece incompreensível, pois a munição deveria ser adquirida pelo próprio órgão) e particulares".

    "O Decreto 9.797, portanto, permite que caçadores mantenham um arsenal de até 30 armas (sendo 15 de uso permitido e 15 de uso restrito, o que inclui até armas nãoportáteis) e atiradores, até 60 armas (sendo 30 de uso permitido e 30 de uso restrito)", afirmam.

    "O decreto também deixou passar, novamente, a oportunidade para determinar que as munições sejam obrigatoriamente marcadas, para fortalecer os controles e a apuração de crimes cometidos", afirmam.

    Os procuradores dizem ainda que 'o cenário é de inconstitucionalidade integral do Decreto, dada a sua natureza de afronta estrutural à Lei 10.826/03 e à política de desarmamento por ela inaugurada'.

    "As ilegalidades se acumulam em praticamente todos os espaços regulados pelo decreto (posse, compra, registro, porte, tiro esportivo, munições etc), de tal modo que resulta impossível do ponto de vista da sistematicidade jurídica afastar apenas dispositivos específicos do ato regulamentar. Destaca-se, ainda, que o artigo 66 do Decreto 9.785/19 revogou o regulamento anterior (Decreto nº 5.123/04). É necessário, portanto, invalidar a nova regulamentação e retornar à antiga", sustentam

    A nota técnica da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão ressalta que o Decreto 9.797/19 agravou - em relação ao próprio Decreto 9.785/19 - o quadro de flexibilização generalizada dos critérios restritivos fixados em lei para a posse, compra, registro e porte de armas.

    Mudanças
    Depois de contestações na Justiça e no Congresso, o presidente Jair Bolsonaro publicou nesta quarta-feira, 22, várias retificações no chamado Decreto de Armas, editado no início deste mês para facilitar o porte de armas no País. As correções constam de dois novos decretos.

    Segundo o governo, o novo texto inclui "vedação expressa" à concessão de armas de fogo portáteis, como fuzis e carabinas, ao cidadão comum.

    Peças de teatro animam o fim de semana na cidade, confira

    Peças de teatro animam o fim de semana na cidade, confira


    Meu Crush Favorito Dirigida por Karol Martins, a peça Meu Crush Favorito, em cartaz  nesse sábado (25) no Teatro Jorge Amado, às 20h, conta a vida da jovem Maitê,  garota que se encantou com Lucas, mas que agora tenta resistir à beleza do egoísta...

    Meu Crush Favorito
    Dirigida por Karol Martins, a peça Meu Crush Favorito, em cartaz  nesse sábado (25) no Teatro Jorge Amado, às 20h, conta a vida da jovem Maitê,  garota que se encantou com Lucas, mas que agora tenta resistir à beleza do egoísta Patrick. No elenco, Gustavo Roriz, Nathalya Araújo e Pedro Moreira.Ingresso: R$60 | R$30. Desconto de 49% para Clube Correio

    Patrulha Canina
    Famosos pela animação na TV, os cães da Patrulha Canina chegam no Teatro Jorge Amado nesse  nesse sábado (25) e domingo (26), com sessões às 15h e 17h. Ryder e sua turma vivem grandes aventuras e ajudam todos que passam por perigo. Ingresso: R$60 | R$30. Desconto de 49% para Clube Correio 
     

    Encantados.com - Uma aventura Off-line 
    Com direção de Lorena Pio, o espetáculo acontece nesse sábado (25), às 18h, e domingo (26), às 17h, no Teatro Eva Herz, no Shopping Salvador. A peça traz personagens de contos, como Chapeuzinho Vermelho, e discute a importância de se encantar de forma desconectada. Ingresso: R$ 60 | R$30.

    Livro infantil narra fábula sobre o tempo

    Livro infantil narra fábula sobre o tempo


    Paulista radicada na Bahia, Renata Fernandes lança seu oitavo livro infantil neste domingo (26), às 16h, na Livraria Cultura, em Salvador. A produção traz uma  reflexão sobre o tempo, direcionada para a criançada. Intitulado O Relógio só tem...

    Paulista radicada na Bahia, Renata Fernandes lança seu oitavo livro infantil neste domingo (26), às 16h, na Livraria Cultura, em Salvador. A produção traz uma  reflexão sobre o tempo, direcionada para a criançada. Intitulado O Relógio só tem Pressa na Hora que Mais Interessa?, o livro  aborda de forma leve e com muitas rimas a complexidade da passagem do tempo nas nossas vidas. O encontro será marcado por brincadeiras, contação de histórias e sessão de autógrafos.

    Para dialogar com todos os públicos em sua mais nova publicação a autora usou a estratégia de incluir a criança em situações do cotidiano. “Eu usei a situação deles para trazer essa sensação da passagem do tempo, fazendo referência a coisas que eles gostam de fazer como brincar, por exemplo, e coisas que muitas crianças não gostam, como arrumar o quarto”, explica. Outra estratégia apontada por Renata para tingir seu público foram as rimas, o que ela considera ser um ótimo jeito de se comunicar com os pequenos.

    A escolha do tema complexo tem relação com o que a escritora acredita ser uma boa literatura infantil. Segundo Renata, em suas produções ela sempre busca não subestimar a inteligência de seus leitores e é aí que mora o grande desafio de escrever para o público infantil: promover desafios na leitura, mas de forma que as crianças consigam aprender com eles e superá-los sem perder o interesse.

    A autora ainda ressalta que o material traz aprendizados até mesmo aos adultos e promove uma reflexão sobre suas relações com o tempo e como isso se reflete nas crianças. “Eu acho que é necessário falar disso com os adultos para que eles percebam a forma como eles trabalham a noção de tempo com as crianças. Às vezes colocar muitas atividades na rotina da criança pode acabar acelerando a criança também e isso pode não ser bom”, observa.

    A sessão de autógrafos vai contar também com a presença do ilustrador da obra,  Heitor Neto. O evento ainda terá a presença de Sérgio Mício, do grupo de teatro Avatar, com o personagem Juninho, que realizará dois momentos de contação da história do livro: o primeiro às 16h30 e o segundo às 17h30, além de brincadeiras relacionadas ao tema da narrativa para divertir os pequenos.
     


    Serviço

    O quê: Lançamento do livro O Relógio só Tem Pressa na Hora que Mais Interessa?

    Quando: Domingo (26), às 16h

    Onde: Livraria Cultura, Salvador Shopping

    Preço: R$ 38 (quem comprar no lançamento ganha desconto nos outros livros da autora) 

    Entrada Gratuita


    * Com orientação da editora Ana Cristina Pereira


    "Quis ser leal a quem eu sou", diz Gaab sobre lançamento de DVD


    O cantor paulista Gaab lançou na sexta-feira (17) o seu novo DVD, Positividade, gravado em fevereiro na Praça da Cruz Caída, no Pelourinho. No novo trabalho, o cantor convidou mais oito artistas, entre eles nome como os MC´s Livinho e Hariel, Negra...

    O cantor paulista Gaab lançou na sexta-feira (17) o seu novo DVD, Positividade, gravado em fevereiro na Praça da Cruz Caída, no Pelourinho. No novo trabalho, o cantor convidou mais oito artistas, entre eles nome como os MC´s Livinho e Hariel, Negra Li, Junior Lord e o cantor de pagode Rodriguinho, que é pai do jovem. 

    Com 18 faixas, o trabalho é um reflexo de mistura de ritmos que formam o estilo do cantor, que vai da black music ao funk. “Esse dvd eu fiz para ser leal ao que sou como cantor”, disse.
    E o grande diferencial está nas parcerias durante a apresentação. Gaab conta que escolheu músicas e artistas importantes para ele e sua carreira: “São pessoas que são muito próximas a mim, e por isso escolhi elas para estarem lá, como o Livinho, por exemplo”.

    O show na Cruz Caíde teve entrada gratuita (Foto: Divulgação)

    Sobre o lugar do show em Salvador, o visual da Cruz Caída foi o grande diferencial para a gravação do DVD: “Ali foi um lance relacionado à vista. Já tinha vontade de fazer a apresentação em uma praça, uniu as duas coisas”, afirmou o cantor.

    Nascido em uma família apaixonada pela música, Gaab cresceu cercado de referências. Filho de um cantor de pagode, famoso pelo grupo Os Travessos, o jovem garante que o pai, apesar da preferência, sempre escutou de tudo: “Ele sempre ouviu de tudo: black music, rap, é um cara muito eclético”.

    Gaab e seu pai Rodriguinho fizeram turnê com o show Legado (Foto: Reprodução/Instagram)

    A relação de pai e filho também vai para os palcos, além da parceria no show em Salvador, os dois saíram em turnê no ano passado, com o show Legado, que também teve a companhia do seu tio, e também músico, Ah.Mr!Dan. “Meu pai está ali comigo foi muito incrível. Sempre me apoiou, ele acredita nas minhas doideras”, disse Gaab.

    A gravação de Positividade marca um momento de renovação na carreira do cantor. Aos 20 anos, o artista entende que é o momento de amadurecer o seu trabalho: “A gente trabalha pensando para frente, no que ainda não existe. Quero mudar minhas letras, escrever novas coisas”. E isso passa por uma “mudança na vida”, como define Gaab.
     

    United tira Efromovich da Holding da Avianca

    United tira Efromovich da Holding da Avianca


    Um dos donos da Avianca Brasil, Germán Efromovich sofreu um revés também na Colômbia ontem. Controlador da Avianca Holdings (segunda maior aérea da América Latina), ele perdeu todas suas cadeiras no conselho da companhia, após a United Airlines...

    Um dos donos da Avianca Brasil, Germán Efromovich sofreu um revés também na Colômbia ontem. Controlador da Avianca Holdings (segunda maior aérea da América Latina), ele perdeu todas suas cadeiras no conselho da companhia, após a United Airlines indicar um dos desafetos do empresário para tomar decisões em seu nome.

    A decisão da companhia americana ocorreu após a Avianca divulgar, na quinta-feira, prejuízo de US$ 67,9 milhões no primeiro trimestre de 2019. A United havia feito, no ano passado, empréstimo de US$ 450 milhões para Efromovich que tinha como garantia as ações dele na Avianca. O contrato previa que, caso as ações se desvalorizassem, a United teria o direito de voto dos papéis de Efromovich - o que ocorreu ontem. 

    Assim, o empresário, que nasceu na Bolívia, mas fez carreira na Colômbia e no Brasil, continua como controlador, mas sem poder para decidir na companhia. Com o anúncio da mudança, as ações da Avianca em Nova York dispararam 28,57% e fecharam cotadas a US$ 3,96.

    A United nomeou a empresa Kingsland (dona de 14,46% da Avianca) para exercer o direito de voto de Efromovich. Kingsland é controlada por Roberto Kriete, que também já foi dono da Taca, aérea vendida à Avianca em 2010. 

    Kriete, um milionário de El Salvador, trava na Justiça uma disputa contra Efromovich. Segundo a revista The Economist, a briga ocorre porque Kriete afirma que o empréstimo feito pela United tinha o objetivo auxiliar a operação da Avianca Brasil. Esse empréstimo, de acordo com Kriete, haveria permitido uma série de excessos na Avianca Holdings, como a encomenda de 50 aviões que não seriam necessários.

    No Brasil, Efromovich é conhecido justamente por tomar decisões impetuosas e voltar de feiras do setor aéreo com encomendas que não condiziam com a realidade econômica do País.

    Na quinta-feira, na divulgação dos resultados da Avianca, a empresa anunciou uma reestruturação que inclui a revisão da compra de 128 aeronaves para 111, o que representa uma economia de US$ 2,6 bilhões, e o corte de 16 rotas.

    Ontem, a United divulgou que, com Kriete no comando, está disposta a investir mais US$ 250 milhões na empresa para que ela se reestruture.

    Consumidor deve procurar empresa
    A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) emitiu um comunicado ontem recomendando aos passageiros com voos da Avianca marcados para os próximos dias que entrem em contato com a empresa e não se desloquem para o aeroporto até que novas informações sejam divulgadas.

    A Avianca, por sua vez, informou em comunicado que está cumprindo a resolução da Anac que a obriga a oferecer reembolso ou reacomodação do passageiro em voo de outra empresa, em caso de cancelamento. Nessa situação, o cliente tem direito a escolher a opção que preferir.

    Código de ética do PSDB isenta Aécio Neves de punição imediata

    Código de ética do PSDB isenta Aécio Neves de punição imediata


    Com a imagem arranhada por escândalos de corrupção que atingiram dirigentes da sigla, o PSDB vai lançar na semana que vem um Código de Ética que prevê punição para filiados que se envolverem em ilegalidades. Desde sua fundação, é a primeira...

    Com a imagem arranhada por escândalos de corrupção que atingiram dirigentes da sigla, o PSDB vai lançar na semana que vem um Código de Ética que prevê punição para filiados que se envolverem em ilegalidades. Desde sua fundação, é a primeira vez que o partido elabora um documento específico para essa finalidade que vai permitir, até mesmo, a expulsão de filiados.

    As normas, entretanto, não atingem de imediato tucanos graúdos como o deputado federal Aécio Neves (MG), que é réu por corrupção passiva e obstrução da Justiça, acusado de receber ilicitamente R$ 2 milhões de Joesley Batista, da J&F. Ele nega.

    Como as denúncias contra o Aécio ocorreram antes da elaboração do Código de Ética, ele só poderá ser punido pelo partido caso condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). 

    O presidente nacional do PSDB, Geraldo Alckmin, afirmou que o regulamento não foi feito para punir A ou B. "Não estamos analisando casos, mas estabelecendo regras", disse. "Não há nada parecido no Brasil em termos de rigor e elaboração com o Código de Ética do PSDB", complementou Alckmin. 

    Para o ex-governador de São Paulo, esse instrumento vai "aproximar o partido da sua militância e dos anseios da sociedade". "Será um partido moderno, que terá instrumentos ágeis de autocorreção e não apenas punição", afirmou o tucano. O fortalecimento dos partidos, segundo Alckmin, é uma forma de acabar com a crise política. "Muda o governo, mas a crise continua, porque o sistema político está equivocado", observou.

    Em sete páginas, o Código de Ética do PSDB define sanções para casos de infidelidade, indisciplina e ferimento da ética partidária. O artigo 19 permite que a Comissão Executiva instaure um "procedimento sumaríssimo" contra filiados que cometerem atos com potencial de "causar dano irreparável ao partido". O texto não exemplifica quais atos. 

    A redação do Código de Ética foi apresentada pelo deputado federal Samuel Moreira (PSDB-SP) aos membros da Executiva Nacional da sigla, na quarta-feira passada, em Brasília. O texto estava previsto para ser aprovado na mesma reunião, mas não houve consenso. A previsão é de que seja analisado na próxima quinta-feira, um dia antes da convenção que pode eleger o ex-deputado Bruno Araújo presidente do PSDB no lugar de Geraldo Alckmin. 

    Uma das preocupações externadas na reunião era de que o PSDB, ao aprovar um código de ética rigoroso, estivesse cedendo a pressões das redes sociais para "fritar" seus filiados. Um tucano citou o exemplo do PT, que sempre poupou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, hoje preso. Mesmo assim, o PT elegeu em 2018 a maior bancada da Câmara, enquanto o PSDB perdeu quase metade dos seus quadros. A bancada tucana tinha 54 deputados em 2014 e elegeu apenas 29 no ano passado. O PT elegeu 55 deputados As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Feira da Sé leva arte e economia criativa para Vila de Abrantes

    Feira da Sé leva arte e economia criativa para Vila de Abrantes


    Pela primeira vez a Vila de Abrantes, localizada em Camaçari,  recebe as atividades da Feira da Sé. Os eventos acontecem na Praça Matriz, nesse sábado (25) e domingo (26), das 14h às 20h, reunindo programações sobre economia criativa local,...

    Pela primeira vez a Vila de Abrantes, localizada em Camaçari,  recebe as atividades da Feira da Sé. Os eventos acontecem na Praça Matriz, nesse sábado (25) e domingo (26), das 14h às 20h, reunindo programações sobre economia criativa local, oficina de capoeira, educação ambiental e rodas de leitura e teatro.

    A Feira da Sé integra a programação do projeto Teatro Para Todos, que tem entrada gratuita, e leva atividades culturais, de bem-estar e saúde gratuitas . O espaço ainda promoverá um plantão para realização de exames de glicemia e aferição da pressão arterial.

    Feira da Sé
    O quê: Feira da Sé em Abrantes
    Quando:  Sábado (25) e domingo (26), das 14h às 20h
    Onde: Praça Matriz 
    Entrada gratuita

    Campanha vai mobilizar novas ações contra a degradação do Velho Chico

    Campanha vai mobilizar novas ações contra a degradação do Velho Chico


    Aos traços sisudos das carrancas, quase a face da própria fúria, atribuem-se na cultura popular o poder de espantar os maus espíritos. Pois é exatamente à escultura que os defensores do  São Francisco apelam para salvar o veio de águas que corta...

    Aos traços sisudos das carrancas, quase a face da própria fúria, atribuem-se na cultura popular o poder de espantar os maus espíritos. Pois é exatamente à escultura que os defensores do  São Francisco apelam para salvar o veio de águas que corta 8% do território nacional e banha uma área que abriga população de 18 milhões de pessoas, em mais de 500 municípios.

    O apelo à figura da carranca acontece em um contexto em que só mesmo poderes tidos como míticos podem reverter o quadro de degradação em que se encontra o Rio da Integridade Nacional. Segundo um levantamento do Comitê da Bacia Hidrográfica do São Francisco (CBHSF), a recuperação total do Velho Chico em toda a sua extensão demandaria R$ 31 bilhões em investimentos, públicos e privados, até 2025.

    “Todo o curso do rio é bastante degradado e não estamos falando apenas do leito principal, mas também dos seus afluentes. Além da preocupação com o São Francisco, precisamos pensar também nos outros rios, que levam água até ele”, explicou o vice-presidente do CBHSF, José Maciel Nunes de Oliveira.

    Por outro lado, o volume de recursos previstos em investimentos do CBHSF, no Plano de Recursos Hídricos 2016/2025, é de R$ 532, milhões. Não precisa ser nenhum gênio da matemática para entender a necessidade de um milagre. Talvez daí tenha surgido a ideia de apelar para uma campanha de conscientização baseada na carranca.

    No próximo dia 3 de junho, quando se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente, o comitê realizará uma série de ações em prol do rio, através da campanha Sou Mais Velho Chico: #Virecarranca. O movimento, apresentado a jornalistas no último dia 17 de maio, em Brasília, é uma tentativa de conscientizar a população quanto à necessidade de preservar o São Francisco.

    O comitê lembrou das 235 barragens de rejeito de minério localizadas ao longo da bacia que possuem alto risco de rompimento, o que representa “um risco sem precedentes” para a vida do rio.

    Vazão mínima
    Até o ano de 2013, a vazão mínima com que o Velho Chico chegava ao mar, após percorrer cinco estados brasileiros – Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Sergipe e Alagoas – era de 1,3 mil metros cúbicos por segundo (m³/s). Entretanto, após sucessivos períodos de escassez hidrológica, foram estabelecidos novos padrões mínimos de vazão nas duas principais barragens, em Três Marias (MG) e Sobradinho (BA).

    “De 2013, o mínimo foi diminuindo até chegar aos 550 m³/s. Agora, será possível uma elevação para 800 m³/s, mas não temos ideia de quando esse patamar irá retornar aos 1,3 mil m³/s de antes”, explica Maciel. Os dados apresentados pelo comitê apontam que os reservatórios de Três Marias e de Sobradinho estão com capacidade de 80% e 50% de suas capacidades, atualmente.

    “O baixo nível de vazão não acontece por uma vontade nossa, até porque isso é ruim até para a captação da água do rio. Acontece porque não há possibilidade de se tirar um volume maior”, diz o presidente do CBHSF, Nivaldo Miranda.

    Ele lembra que o volume crítico do rio chegou a patamares muito baixos no passado. “Mesmo com o aumento da vazão, ainda não estamos em um patamar ideal, mas isso já ajuda a melhorar questões como o assoreamento, captação de água e mesmo a navegação, que é muito importante”, avalia.

    Entre os anos de 2012 e 2019, o comitê investiu R$ 42 milhões em ações que beneficiaram mais de 60 municípios com planos na área de saneamento.

    Outros 40 deverão ser contemplados numa leva nova do projeto ainda este ano, mas os números estão longe de atender a demanda. Embora não disponham de números exatos, os membros do comitê acreditam que a maior parte dos municípios banhados pelo Velho Chico tem deficiências na área.

    “Os planos de saneamento são muito importantes para a preservação do rio, mas também para que os municípios possam ter acesso a uma série de convênios públicos”, explica Miranda.

    Um exemplo do tamanho da demanda pode ser verificado na região do Médio São Francisco, na Bahia, onde 23 municípios disputam 10 vagas disponíveis.

    De Cosme de Farias para o Zorra: conheça o ator Evaldo Macarrão

    De Cosme de Farias para o Zorra: conheça o ator Evaldo Macarrão


    Quando voltou a Salvador alguns dias atrás e entrou no prédio em que mora, no bairro da Saúde, Evaldo Macarrão se deu conta, mais uma vez, do poder da representatividade. "Fui parado ainda na rua pela filha de uma vizinha tentando convencer a mãe de...

    Quando voltou a Salvador alguns dias atrás e entrou no prédio em que mora, no bairro da Saúde, Evaldo Macarrão se deu conta, mais uma vez, do poder da representatividade. "Fui parado ainda na rua pela filha de uma vizinha tentando convencer a mãe de que era eu o ator que ela viu na TV. Quando eu confirmei, ela emendou: 'Ta vendo, minha mãe, que eu disse que ele morava aqui, que era nossa vizinho?!". 

    No ar há pouco mais de um um mês no Zorra (Globo), o ator baiano comemora o reconhecimento. "É incrível ver essa identificação com um jovem periférico de Salvador, com dente montado, na TV. Aquela menina se reconheceu profundamente em mim. Nunca tive pretensão de ser global, mas está sendo massa ocupar este lugar", diz ele, sem deslumbre algum, sobre o inacreditável alcance da televisão.

    (Foto: Divulgação/ TV Globo)

    Aos 28 anos, o filho de pais com ensino fundamental incompleto, se sente realizado pela trajetória traçada até então. Ano passado, se graduou em Pedagogia pela Universidade Católica de Salvador (Ucsal). "Me sinto realizado e ogulhoso de tudo. Sofro muito para reparar minhas causas e as causas do meu povo. As coisas sempre foram muito difíceis. Nunca passei fome, mas sempre lidei com falta de grana. Consigo citar dois espetáculos nesses doze anos que me pagaram razoavelmente. Então, claro que valorizo chegar onde cheguei, um lugar onde todo mundo quer estar. E tenho consciência de que foi uma luta para entrar, e que há tantas outras para se manter", pondera, ao citar que já tem ouvido gente dizer que "está rico" e "deixando a Globo subir à cabeça". 

    Nascido e criado em Cosme de Farias, Macarrão se divide hoje entre Salvador e Rio de Janeiro. Passa a semana gravando o programa, e aproveita a folga em sua terra natal sempre que possível para rever a família, visitar seu terreiro de candomblé e o CRIA (Centro de Referência Integral de Adolescentes), ONG localizada no Pelourinho que é uma espécie de casa para ele. Afinal, foi lá, que ainda adolescente Evaldo se transformou em Macarrão e em muita coisa que é hoje. 

    "Eu não aprendi a ser negro na escola, nem em casa, nem na minha comunidade, infelizmente. Foi no CRIA e nos lugares que cheguei através dele; no gosto pela leitura e pela literatura de Jorge Amado, que também desenvolvi a partir de lá", conta. Para ele, se o asdolescente que está à margem da sociedade, não se enxerga, está mais vulnerável a cair no tráfico e na prostituição. "Morar na periferia não é ruim, é lá que a gente ainda acha pessoas que cuidam uma das outras, que se olham. O problema da periferia é a falta de investimento. A estrategia é deseducar, exterminar - negros, o problema é racial", enfatiza.

    Uma de suas maiores inspirações de vida é Carla Lopes, 45, diretora artística do CRIA, e uma das primeiras a dizer que ele seria aprovado na seleção do filme Capitães da Areia, caso concorresse. "Eram mais de 1500 adolescentes concorrendo, e ela me disse para fazer que iria passar. Eu tinha 14 anos. Olhei para ela incrédulo, porque ela não elogiava meus trabalhos, nem os de ninguém. Ela sempre foi muito rigorosa. E, como ela previu, fui aprovado para fazer o Pirulito no filme", relembra.

    (Foto: Divulgação/ TV Globo)

    O nome artístico que adota hoje surgiu de uma situação inusitada, quando ainda era novato na ONG. O preparador vocal inventou de fazer aquecimento corporal e Evaldo não queria. "Ele (preparador) olhou para mim, reclamou que todos estavam fazendo o exercício menos eu, que estava lá jogado 'todo mole, que nem um macarrão'", lembra. Todos ao redor começaram a rir. "Eu não achei engraçado e fui lá reclamar, falando que meu nome era Evaldo Maurício, para ele me respeitar. Aí pronto, todo mundo começou a me chamar de Macarrão. Eu não gostava no início, mas depois curti", recorda. A adoção do apelido profissionalmente só aconteceu anos mais tarde, quando percebeu que já era mais conhecido por Macarrão que pelo nome de batismo. 

    Em dez anos no CRIA, passou de aprendiz a educador e pôde conviver com aproximadamente 300 jovens de bairros periféricos, os quais vêem na arte e na trajetória de Macarrão a chave e o espelho para suas próprias transformações. No currículo, atuação em espetáculos como O Pai Ó, Paixão de Cristo e Compadre de Ogum, além do filme Capitães da Areia e de participações em Velho Chico e A Grande Família.

    A chegada ao Zorra acontece em um momento bastante peculiar do programa, que em sua quinta temporada, mantém o fôlego em relação à produção de conteúdo crítico à política nacional. "O Zorra está no lugar da criticidade, do protesto contra essa realidade desigual e desumana. Eu faço o Zorra com muita raiva e com muito ódio, mas com também com muito amor e humor. Acho que é isso que eu tenho aprendido agora", resume. Para ele, quem se se sente ofendido com as piadas sabe porque se sente assim: preconceito. "A graça do programa é rir do opressor, e não do oprimido, então seguiremos na luta", defende o ator, que não se vê como um humorista necessariamente.

    Macarrão chega ao prograna depois da saída de Érico Brás e Luís Miranda; outros dois baianos, e assim como ele, negros. "Os dois tinham saído e o program queria manter essa marca, com um ator negro e nordestino no elenco. Fui chamado para os testes e, desde então, sabia que podia ser uma pessoa do time", conta. Foram três testes, até obter a resposta positiva. "O elenco contribui muito em todo o processo, para me dar esse lugar de segurança, porque tem o frio na barriga, o coração acelerado, a mão tremendo", confidencia. Dentre os veteranos, nomes como Maria Clara Gueiros, Otavio Muller, Dani Calabresa e Fernando Caruso. 

    (Foto: Reprodução/ Instagram)

    Sua relação com a TV começou em 2014, quando quase um ano depois de fazer um cadastro no banco de talentos da Rede Globo para a novela Gabriela, acabou sendo chamado para fazer uma participação em A Grande Família. Ele costumava ouvir que parecia com Luís Miranda nas ruas ("isso me irritava, porque parece que todo preto se parece"), e essa semelhança foi notada pela Globo. "Eles ligaram me dizendo isso, que eu parecia com o Luís, e me convidando para fazer ele mais jovem numa participação. Cresci vendo A Grande Família, então foi um sonho esse convite. Sem falar que minha primeira cena foi com o Pedro Cardoso", comemora.

    Na televisão, um dos nomes que lhe inspira é Lázaro Ramos. "Quando olhei para TV e vi ele, vi também que era possível que eu um dia chegasse a esse lugar. Um lugar bacana, que preto pode e deve estar porque é nosso também", afirma. A lista de inspirações contempla ainda Marinho Gonçalves, Carlos Betão, Zé Carlos, Ângelo Fávio e Assis Costa. "Mas não tem só eles, tem as mulheres, que me deram régua e compasso: Valdineia Soriano, Arlete Dias, Carla Lopes. As pessoas que faço questão de citar como referência são exemplos de disciplina. É a disciplina que lapida o talento, através do estudo, da pesquisa. Para mim, que tive uma defasagem na educação, ela é fundamental. O texto tem que ser estudado mesmo", explica.

    Macarrão entendeu desde cedo que sua missão não é somente atuar. Quer, com o seu trabalho, formar cidadãos críticos e mobilizadores. E é isso que pretende continuar fazendo.

    (Foto: Diney Araújo)


    Adversário do Vitória, Atlético-GO ainda não perdeu em Goiânia

    Adversário do Vitória, Atlético-GO ainda não perdeu em Goiânia


    Para se recuperar na tabela da Série B o Vitória terá que fazer algo que ninguém conseguiu até o momento na temporada: vencer o Atlético-GO em Goiânia. O adversário de domingo (26), às 16h, está com nada menos que 94% de aproveitamento em...

    Para se recuperar na tabela da Série B o Vitória terá que fazer algo que ninguém conseguiu até o momento na temporada: vencer o Atlético-GO em Goiânia. O adversário de domingo (26), às 16h, está com nada menos que 94% de aproveitamento em casa.

    No Leão, quem mais conhece a fama do adversário no Estádio Antônio Accioly é Felipe Garcia. O atacante, destaque rubro-negro neste começo de Série B, passou toda a temporada de 2018 defendendo o rival do Dragão, o Goiás.

    É ele quem dá o recado em entrevista coletiva na sala de imprensa da Toca do Leão: “A gente vem se preparando muito bem para essa partida. Vamos precisar ter força para enfrentar o Atlético lá, onde são muito fortes, dificilmente perdem pontos. Esse ano perderam pouco – se é que perderam”, diz o atacante.

    Felipe tem toda razão: o Atlético praticamente não perdeu pontos em 2019 jogando em casa. Em 12 jogos oficiais no Estádio Antônio Accioly o Dragão obteve 11 vitórias e apenas um empate – este já pela Série B, em 1x1 com o Coritiba, no último dia 3 de maio, pela segunda rodada.

    Tudo bem que a maioria destes 12 jogos foram pelo Campeonato Goiano. Ainda assim, bateram lá os seus dois rivais. Um também da Série B – o Vila Nova, por 1x0 – e outro da Série A – 2x1 sobre o Goiás na primeira fase e 3x0 na final. Outro resultado notável foi um 1x0 sobre o Santos pela Copa do Brasil.

    Outra coisa em que Felipe tem razão: o Vitória, sob comando do técnico Osmar Loss, tem se preparado para o desafio. Nos três dias que teve de trabalho na Toca do Leão desde sua chegada, na última quarta-feira (22), o treinador deu prioridade ao trabalho defensivo.

    “Ele chegou nessa semana e foram poucos dias de trabalho. Mas ele já tentou colocar alguns pontos que acha cruciais. O equilíbrio é um deles. Quando você sai na frente na Série B precisa ter muito equilíbrio, porque os jogos são equilibrados e a outra equipe vai vir com tudo para cima”, disse o atacante.

    Neste sentido de reforçar a defesa o novo técnico teve uma boa notícia. O zagueiro Zé Ivaldo, que chegou à Toca na última semana, foi regularizado na última sexta-feira (24) e está liberado para estrear. Ele deve fazer dupla com Everton Sena.

    Do meio para frente o Leão recebeu outro reforço. O meia Ruy, que ainda não jogou pela Série B por conta de uma lesão muscular, está recuperado e foi relacionado para a partida. Seu último jogo foi a derrota por 4x0 para o Fortaleza pela Copa do Nordeste no dia 8 de abril.

    Ficaram de fora da relação o lateral direito Matheus Rocha e o atacante Matheus Manga, ambos por opção de Osmar Loss.

    O oposto
    Atlético-GO e Vitória têm uma diferença importante em 2019. Enquanto o Leão ganhou apenas quatro jogos na temporada, o Dragão só perdeu exatamente o mesmo número, quatro.

    Apesar de ter vencido apenas quatro neste ano, o Vitória teve recentemente por três vezes a oportunidade de sair com os três pontos. Nas derrotas para Botafogo-SP (3x1), Guarani (3x2) e São Bento (3x1) o primeiro gol foi rubro-negro.

    “Às vezes pode ser a parte emocional das partidas, mas como a gente frisou aqui, é preciso ter equilíbrio. Cada jogo é uma final. A gente teve essas duas derrotas de virada parecidas mas estamos buscando achar o ponto para que não aconteçam mais”, disse Felipe Garcia.

    Conheça um dos destinos mais procurados pelos soteropolitanos

    Conheça um dos destinos mais procurados pelos soteropolitanos


    Um destino do Litoral Norte baiano tem chamado a atenção dos baianos e turistas e tem se tornado um dos destinos mais procurados na Bahia. A cerca de 120 km de Salvador, o povoado de Baixio, no município de Esplanada, oferece paisagens paradisíacas...

    Um destino do Litoral Norte baiano tem chamado a atenção dos baianos e turistas e tem se tornado um dos destinos mais procurados na Bahia. A cerca de 120 km de Salvador, o povoado de Baixio, no município de Esplanada, oferece paisagens paradisíacas para os visitantes, com opções de cinco lagoas, formadas por 14 nascentes espalhadas na região.

    Com 14 quilômetros de extensão, as praias de Baixio são perfeitas para relaxar, aproveitar com a família e amigos, além de praticar esportes. Cercadas por coqueiros e com total privacidade, a praia de Mamucabo se destaca no local. Para quem deseja infraestrutura, uma boa opção é a praia em frente à Pousada Aldeola.

    A Lagoa Azul é uma das opções de passeio ecológico (Foto: Humberto Filho).

    As águas cristalinas das lagoas de Baixio enfeitam o cenário natural da vila e são os principais atrativos do lugar. Passeios ecológicos e trilhas são alternativas para quem deseja explorar as belezas da Lagoas Azul, da Panela, Verde, Foz do Mamucabo e Ponta de Inhambupe.

    A visitação nestes locais é controlada. O limite diário de visitantes na Lagoa Azul é de 40 pessoas, nas demais é de 20 pessoas por hora. A ação visa preservar o meio ambiente dos impactos causados pelo uso indiscriminado dos recursos naturais, além de prevenir a degradação por conta de poluentes.  

    Para preservar o meio ambiente, o limite de visitação na Lagoa da Panela é de 20 pessoas por hora. A entrada nos outros lugares também é controlada (Foto: Humberto Filho).

    Moradia

    O Litoral Norte, que também é conhecido como a Costa dos Coqueiros, é, hoje, um dos maiores vetores de crescimento imobiliário do estado, seja para quem procura a primeira ou segunda residência. Sabendo disso, a incorporadora Prima Empreendimentos identificou um grande potencial na região de Baixio e investiu R$ 70 milhões na primeira fase do projeto do complexo turístico e imobiliário, intitulado como Ponta de Inhambupe.


    Com uma estrutura que acomoda apartamentos, casas, centro comercial com restaurantes, lojas e quiosques, um hotel boutique com 29 quartos exclusivos e Clube Privativo, a incorporadora aporta no local um audacioso plano de desenvolvimento que deve se consolidar nos próximos anos.

    O decorado tem um estilo despojado e moderno e tem encantado os visitantes (Foto: Humberto Filho).

    A unidade decorada do empreendimento Ponta de Inhambupe está aberta para visitação. O espaço é assinado pelas arquitetas Flávia Foguel, Cristiana Reis e Milena Sá, da empresa FRS. Com um estilo despojado e moderno, que valoriza o bem-estar e o conforto em todos os seus ambientes, o projeto da casa vem encantando os visitantes. Para mais informações, basta ligar para o número (71) 99261-9566.

    O espaço decorado é assinado pelas arquitetas Flávia Foguel, Cristiana Reis e Milena Sá (Foto: Humberto Filho).


    Logística 4.0: um salto de produtividade

    Logística 4.0: um salto de produtividade


    Segurança, transparência, redução de tempo e custo. Os pilares que juntos pareciam ser utópicos em grandes empresas há até poucos anos, hoje são bastante plausíveis com o auxílio das novas tecnologias oriundas da quarta revolução...

    Segurança, transparência, redução de tempo e custo. Os pilares que juntos pareciam ser utópicos em grandes empresas há até poucos anos, hoje são bastante plausíveis com o auxílio das novas tecnologias oriundas da quarta revolução industrial.

     A Indústria 4.0, apresentada em 2011 durante a Feira de Hannover, na Alemanha, chegou para transformar a forma de trabalho dos mais diversificados segmentos, inclusive na logística. Big data, automação, biometria, inteligência artificial e uma série de outras abordagens disruptivas agilizaram as operações, proporcionando um salto na produtividade.

    Um cenário onde os dados se cruzam com mais precisão e acerto, os terminais operam em sintonia tecnológica, as informações são obtidas e trocadas de forma simples, transparente e acessível. Os sistemas se comunicam, o acesso é inteligente e a gestão passa a ser feita através de indicadores dinâmicos online e em tempo real.

    “A necessidade de transparência na cadeia de suprimentos, a gestão de todos os processos online e full time associada à necessidade de mão de obra direcionada à inovação, trouxe para o dia a dia da logística conceitos importantes como a internet das coisas, integração de sistemas, cloud computing, análise da Big data, entre outros”, explica Patrícia Iglesias, diretora comercial do Terminal de Contêineres de Salvador.

    Patrícia Iglesias, diretora comercial do Terminal de Contêineres de Salvador (Foto: Divulgação)

    A coleta de dados se aprimorou. “Anteriormente a produção em massa era o principal objetivo, agora, além da produção em série, os equipamentos e máquinas operam de forma independente, sendo capazes de coletar e analisar dados e direcioná-los da melhor forma para que cooperem com os colaboradores e profissionais envolvidos”, conta Iglesias.

    A logística, nesse ponto, continua sendo uma base importante para o processo produtivo, pois racionaliza a dinâmica da cadeia de suprimentos, buscando que o produto certo seja entregue no momento exato, no local e nas condições adequadas “e, talvez o mais importante, com o custo certo e viável”, completa a diretora comercial do Tecon Salvador.

    Cuidados
    Para alcançar um melhor resultado na implementação das novas tecnologias, a automação inteligente de processos produtivos deve ser realizada de forma gradual. É preciso considerar, de acordo com Patrícia, a interação com clientes, colaboradores, fornecedores e meio ambiente. 

    Levando em consideração que os conceitos da Indústria 4.0 criam muito mais uma cultura que um procedimento, para ela, faz sentido que tudo comece pelo lado humano. “O processo de inovação deve ter início na gestão dos recursos humanos da companhia. A partir deste ponto, os profissionais passam a se sentir engajados ao transformar o ambiente em que trabalham. Além disso, inovar tem sempre o objetivo de otimizar tarefas e processos, os tornando mais competitivos”, pondera a diretora.

    Salvador
    Parte do Grupo Wilson Sons, o Terminal de Contêineres de Salvador tem operado em sintonia tecnológica. Para garantir atendimento logístico portuário de excelência, o Tecon possui sistemas de automatização e de atendimento ao cliente de forma digital. “Sem perder a humanização que a gestão dos dados necessita para que sua qualidade seja legítima e verdadeiramente inteligente”, ressalta a executiva.

    Alguns exemplos de tecnologias aplicadas ao terminal são: portal do cliente, acesso de caminhões com biometria, leitura das informações dos contêineres via reconhecimento ótico de caracteres, robô  que faz a leitura de documentos para a presença de carga, scanner que lê dados da carga no caminhão e o sistema de gestão integrado Navis N4,  além de interface online com a Sefaz e Receita Federal.

    Segundo Patrícia Iglesias, desde dezembro, entrou em funcionamento o XVela, uma plataforma em nuvem colaborativa, que permite que terminais portuários e armadores usem o mesmo sistema online para tratar da operação do navio e monitorarem o transporte de uma carga em tempo real. “As mudanças não param e a reformulação contínua”, finaliza.

    _________________

    Indústria 4.0
    O termo surgiu em 2011 durante a Feira de Hannover, na Alemanha, em um trabalho desenvolvido por Siegfried Dais (Robert Bosch) e Kagermann (German Academy of Science and Engineering), que apresentava a união das máquinas com sistemas inteligentes. Uma tecnologia que possibilitava a automação e o melhor controle das etapas na cadeia de produção e logística.


    Tecnologias aplicadas pelo TECON

    - Acesso de caminhões com biometria;
    - Leitura das informações dos contêineres via Reconhecimento Ótico de Caracteres;
    - Robô Automate que faz leitura de documentos para a presença de carga;
    - Scanner que lê dados da carga no caminhão;
    - Sistema de gestão integrada Navis N4, que é uma plataforma de gerenciamento de pátio, inclui comandos de operações para os RTG's 24 horas
    - Comunicação com armadores via EDI
    - Interface com a SEFAZ e Receita Federal
    - Portal do cliente (Permite ao cliente o controle de sua operação através da plataforma digital)

    O Estúdio Correio produz conteúdo sob medida para marcas, em diferentes plataformas.

    Mão de obra high tech

    Mão de obra high tech


    Composta por uma série de elementos de inovação, como a inteligência artificial, internet das coisas e nanotecnologia, a Quarta Revolução Industrial tem na qualificação da mão de obra um de seus principais desafios. Isso porque a Indústria 4.0...

    Composta por uma série de elementos de inovação, como a inteligência artificial, internet das coisas e nanotecnologia, a Quarta Revolução Industrial tem na qualificação da mão de obra um de seus principais desafios. Isso porque a Indústria 4.0 é resultante do uso de diversas tecnologias digitais, desde o chão de fábrica até a gestão dos negócios, que tornarão coisa do passado a forma como se produz manufaturas hoje em dia.

    Ciente dessa realidade, o presidente em exercício da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Paulo Afonso Ferreira, defende a união entre o setor produtivo e o governo como caminho para o país avançar em relação à capacitação de profissionais e adequação das empresas rumo a essa nova era. 

    “A Indústria 4.0 demandará uma requalificação maciça de sua mão de obra. Esse é o grande desafio que temos agora. Temos que gerar emprego e preparar gente qualificada para atender a essa demanda”, observa Fereira.

    Uma pesquisa da CNI realizada com 759 grandes e médias indústrias em relação à adoção de tecnologias 4.0 revela que 21,8% serão atingidas pela digitalização do processo produtivo. Atualmente, o percentual é de 1,6%. “Há estimativas que determinam que 70% dos empregos serão impactados, bem como as principais cadeias de valor. E é claro que isso vai determinar novos padrões de produção e de competição nos mercados”, afirma o superintendente nacional do Serviço Social da Indústria (Sesi), Rafael Lucchesi.

    O especialista pontua que a Quarta Revolução Industrial demanda um conjunto de novas tecnologias baseadas na inteligência artificial, digitalização, automação, manufatura avançada, indústria aditiva e no Big Data. Um dado positivo da pesquisa da CNI aponta que a presença de ao menos uma tecnologia digital passou de 63% para 73% do setor. Contudo, cerca de 30% da produção fabril não se vale de nenhuma dessas tecnologias.

    “O desafio principal é a capacidade que o país venha a desenvolver de formar as pessoas com perfis competentes, adequados para esse novo patamar tecnológico”, considera o diretor nacional de operações do Serviço Nacional 
    de Aprendizagem Industrial (Senai), Gustavo Leal.

    Como se capacitar?
    Uma boa oportunidade para quem quiser se capacitar para concorrer a vagas referentes à Indústria 4.0: estão abertas, até 7 de julho, as inscrições do processo seletivo dos cursos técnicos do Senai Bahia, que conta com 3.280 vagas em 15 cursos em Salvador, Alagoinhas, Camaçari, Feira de Santana, Ilhéus, Juazeiro, Lauro de Freitas, Serrinha e Vitória da Conquista. 
    A novidade para este ano é o curso de Biotecnologia, que vai ser oferecido na capital. A área é uma das mais demandadas para a Industria 4.0.

    A organização dará 100 bolsas de estudos para alunos de baixa renda e que tiveram pontuação mínima de 550 nas cinco últimas provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). 
    Esses candidatos em específico têm até 18 de junho para fazer a inscrição. Entre as opções de curso estão, ainda: Desenvolvimento de Sistemas, Redes de Computadores e Automação Industrial.
    Saiba mais no site do processo seletivo: http://senaiweb.fieb.org.br/senai2/.

    Mecatrônica
    Outras qualificações podem ser feitas no Senai Cimatec, onde os conceitos e as tecnologias da Indústria 4.0 são transversais e estão presentes como norteadores de cursos em diversas modalidades, para diferentes formações e áreas de atuação. 

    Na modalidade de cursos técnicos, o destaque é o curso de Mecatrônica, que forma profissionais para atuar em qualquer segmento industrial que use máquinas controladas por programação.
    De acordo com uma pesquisa da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), o técnico em mecatrônica está entre as nove qualificações mais procuradas pelas indústrias de todo 
    o Brasil, considerando uma perspectiva do mercado industrial até o ano de 2020.

    Outros dois cursos técnicos totalmente conectados à Indústria 4.0 são o de Desenvolvimento de Sistemas e o de Redes de Computadores, que forma profissionais nos pilares da hiperconectividade e de sistemas inteligentes.

    “Todos os cursos de graduação do Centro Universitário Senai Cimatec preparam profissionais com imersão em tecnologias e conceitos da Indústria 4.0”, informa a instituição  em nota enviada ao CORREIO.

    Os cursos são: Engenharia de Controle e Automação, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Engenharia Civil, Engenharia de Materiais, Engenharia Química, Engenharia Automotiva, Engenharia de Produção, Engenharia de Computação e Arquitetura (em breve).

    Pós-graduação
    Já na modalidade de pós-graduação oferecida pelo Senai Cimatec há cursos lato sensu totalmente direcionados às novas tecnologias, como o MBI em Manufatura Avançada, a Especialização em Data Science e Analytics, o MBI em Nanotecnologia e Materiais Avançados.

    Mas também há capacitações que estão sintonizadas e possuem módulos dedicados às tecnologias e aos conceitos da Indústria 4.0 como:  MBA Executivo em Lean Manufacturing;  MBA em Empreendedorismo e Inovação Tecnológica; MBI em BIM (Building Information Modeling); e MBI em Mobility Experience.

    Veja 30 profissões  que serão criadas e/ou ganharão mais relevância na indústria 4.0

    Um estudo  do Senai mostra que 30 profissões  de oito áreas serão criadas e/ou ganharão mais relevância com a Indústria 4.0. Entre os segmentos impactados estão Automotivo, Alimentos, Máquinas e Ferramentas, Comunicação e Construção Civil. Confira as profissões abaixo.

    1. Setor Automotivo  Mecânico de veículos híbridos, mecânico especialista em telemetria, programador de unidades de controles eletrônicos e técnico em informática veicular.

    2. Alimentos e Bebidas  Técnico em impressão de alimentos, especialista em aplicações de TIC para rastreabilidade de alimentos, especialista em aplicações de embalagens para alimentos.

    3. Construção Civil  Integrador de sistema de automação predial, técnico de construção seca, técnico em automação predial, gestor de  logística de canteiro de obras e instalador de sistema de automação predial.

    4. Têxtil e Vestuário  Técnico de projetos de produtos de moda, engenheiro em fibras têxteis e designer de tecidos avançados.

    5. Tecnologia da Informação e Comunicação  Analista de internet das coisas (IoT), engenheiro de cibersegurança, analista de segurança e defesa digital, especialista em grandes bancos de dados (big data) e engenheiro de softwares.

    6. Máquinas e Ferramentas  Projetista para tecnologias 3D, operador de máquinas de alta velocidade (High Speed Machine), programador de ferramentas e técnico de manutenção em automação.

    7. Químico e Petroquímico  Técnico em análises químicas com especialização em análises instrumentais automatizadas, técnico especialista no desenvolvimento de produtos poliméricos e técnico especialista em reciclagem de produtos poliméricos.

    8. Petróleo e Gás  Especialista em técnicas de perfuração, especialistas em sismologia e geofísica de poços, e especialistas para recuperação avançada de petróleo.

    Ambiente multiplicador para inovação

    Ambiente multiplicador para inovação


    Há dois anos, Salvador ocupava apenas a 18ª colocação em nível nacional no número de startups. Eram apenas 110 representantes desse tipo de empresa em desenvolvimento, com base tecnológica e voltadas à inovação. Em 2019, elas são 198 e a...

    Há dois anos, Salvador ocupava apenas a 18ª colocação em nível nacional no número de startups. Eram apenas 110 representantes desse tipo de empresa em desenvolvimento, com base tecnológica e voltadas à inovação. Em 2019, elas são 198 e a capital baiana está na primeira colocação do Norte-Nordeste e na oitava do ranking da Associação Brasileira de Startups (ABStartups).

    “Salvador tem apresentado grandes avanços em toda essa agenda (de inovação), que na Prefeitura começou há dois anos. De lá para cá, a cidade passou a ocupar a liderança no número de startups no Norte e Nordeste. Nós vamos lançar, em breve, uma plataforma de integração desse ecossistema”, comemora o secretário municipal de Cidade Sustentável e Inovação, André Fraga.

    Parte dessa evolução se deve a equipamentos como o Hub Salvador. Criado pela Prefeitura, ele tem capacidade para abrigar mais de 100 negócios. Atualmente, o espaço conta com mais de 200 membros alocados nas 70 empresas residentes, sendo que 37 são startups. “Aqui nós estimulamos a criatividade e a produtividade, ajudando nossos membros a crescerem juntos”, destaca o CEO do Hub Salvador Moacy Veiga.

    Ecossistema
    O ambiente de inovação baiano conta ainda com o Senai Cimatec e Parque Tecnológico da Bahia. Esse último  abriga empresas de base tecnológica por meio de chamadas públicas, com prioridade para as áreas de Biotecnologia e Saúde; Tecnologia da Informação e Comunicação; e Energia e Engenharias. Uma dessas empresas ali instaladas é a Topos Informática, que em junho vai disputar a final do Prêmio Nacional de Inovação, iniciativa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e do Sebrae.

    Para a secretária estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação da Bahia, Adélia Pinheiro, a Topos reflete a um só tempo o espírito inovador presente no Parque Tecnológico e o avanço da produção de TI no nosso estado. 

    “O momento de premiação sinaliza o potencial de empresas e startups instaladas na Bahia, a excelência de seus profissionais e a capacidade de soluções inovadoras”, diz a gestora.

    Uma nova Revolução Industrial está em curso na Bahia

    Uma nova Revolução Industrial está em curso na Bahia


    Uma nova era do setor industrial encontra-se em curso. Seu nome? Indústria 4.0 (ou Quarta Revolução Industrial). Segundo este conceito, as fábricas são mais inteligentes e eficazes graças a dispositivos interconectados aos processos de manufatura...

    Uma nova era do setor industrial encontra-se em curso. Seu nome? Indústria 4.0 (ou Quarta Revolução Industrial). Segundo este conceito, as fábricas são mais inteligentes e eficazes graças a dispositivos interconectados aos processos de manufatura ao longo de toda a cadeia de produção e logística.

    Neste Dia da Indústria, comemorado hoje, o CORREIO traça um panorama do setor na Bahia rumo ao futuro. Em um cenário de crise econômica, sobram desafios, mas também oportunidades.

    Redução de custos

    Segundo levantamento da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), a estimativa anual de redução de custos industriais no Brasil, a partir da migração para o conceito 4.0, será de ao menos R$ 73 bilhões/ano. 

    O presidente da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb), Ricardo Alban, entende que ainda falta uma cultura sólida e estímulos adequados em nível nacional para a adoção da indústria 4.0. Porém, ele valoriza os avanços já alcançados. “Esse é o caminho para o desenvolvimento, o futuro do país e do estado. Temos feito um enorme esforço nessa direção. Podemos citar, como exemplo, o Senai Cimatec, que é hoje uma referência nacional em pesquisa e inovação. Também estamos implantando o Cimatec industrial e o Instituto de Tecnologia da Saúde (ITS) para estabelecer as bases para uma nova matriz industrial na Bahia”, destaca.

    Para ele, há a necessidade de que outros agentes - governos, órgãos de fomento e academia - participem da construção de um ambiente mais acolhedor à pesquisa e inovação na Bahia. 

    Modelo

    Uma semente voltada à quarta revolução industrial no estado foi plantada há cerca de quatro anos, quando a Fábrica Modelo 4.0 foi inaugurada no Senai Cimatec, em Salvador. A estrutura, que teve investimento de R$ 4 milhões, foi criada em parceria com a empresa de consultoria americana McKinsey Company, a fim de elevar a produtividade das indústrias brasileiras a partir da difusão dos conceitos de “manufatura enxuta” (lean manufacturing).

    “Essa Fábrica Modelo, a primeira da América Latina, conta com soluções de realidades aumentada e virtual e tecnologias muito modernas aplicadas a melhorias do processo produtivo”, explica o diretor adjunto do Senai Cimatec, Luis Breda.

    O espaço - sob um conceito inovador de treinamento, capacitação e transformação produtiva - propicia que empresas industriais evitem desperdícios e elevem a eficiência.


    BAHIA PRECISA RETER TALENTOS

    Galgar os degraus rumo à indústria do futuro também requer a capacitação da juventude baiana. “Os jovens criativos, inventivos e capazes da nossa terra não deveriam ter de sair do estado para inovar, empreender e progredir”, defende Alban.

    Ele se refere a jovens como a estudante Yasmin Thasla Ferreira, 18 anos, que tinha apenas 14 anos quando conheceu a robótica na escola.

    Yasmin quebrou um paradigma e vai embarcar para os Estados Unidos
    (Foto: Divulgação)

    Aluna aplicada, Yasmin logo foi convidada a integrar um dos times da Escola Sesi Djalma Pessoa, de Salvador. Em 2017, ela se tornou a primeira garota da escola a defender uma equipe na disputa de robôs em um torneio regional na Bahia. “Minha equipe conseguiu uma das melhores pontuações na disputa de mesa”, lembra Yasmim, que quebrava ali uma hegemonia e uma concepção de que só menino gosta de programação.

    Em julho, ela embarcará para o Estados Unidos, onde passará dez dias em um programa de Verão de uma universidade do Vale do Silício, centro mundial da inovação e onde estão sedes de empresas como Apple e Google.

    “Esta experiência vai agregar muito à minha vida profissional e é uma oportunidade de conhecer pessoas do mundo todo. Vai também ajudar a melhorar minha comunicação em inglês”, projeta a jovem, que poderá visitar grandes companhias como a Amazon, além de conhecer tecnologias em realidade aumentada, que são de seu interesse.

    Para conseguir uma das 30 vagas da viagem, ela teve que concorrer com mais de 10 mil estudantes do mundo inteiro.


    REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS

    1780 - Primeira Revolução Industrial  Aprimoramento das máquinas a vapor, criação do tear mecânico.

    1870 - Segunda Revolução Industrial   Utilização do aço, da energia elétrica, motores elétricos e combustíveis fósseis derivados do petróleo.

    1970 - Terceira Revolução Industrial   Avanço da eletrônica, sistemas computadorizados e robóticos para manufatura.

    Hoje - Quarta Revolução Industrial   Sistemas cyber-físicos, Internet das Coisas e processos de manufatura descentralizados. 

    Indústria em movimento: Bahia tem até submarino autônomo

    Indústria em movimento: Bahia tem até submarino autônomo


    Em julho, a Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb) vai inaugurar a primeira etapa do Cimatec Industrial, em Camaçari. É mais um passo que a federação dá para trazer o futuro à indústria baiana. Para especialistas, empresas de todos...

    Em julho, a Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb) vai inaugurar a primeira etapa do Cimatec Industrial, em Camaçari. É mais um passo que a federação dá para trazer o futuro à indústria baiana. Para especialistas, empresas de todos os tamanhos e setores  terão que se adaptar à revolução da Indústria 4.0 - que já está em curso em todo o mundo - para viabilizar os negócios, aumentando sua competitividade interna e externa. 

    A indústria do futuro usa internet das coisas e inteligência artificial para diminuir custos e aumentar e especializar a produção para ganhar mercado. 

    A primeira etapa do Cimatec Industrial terá infraestrutura para atender as áreas de Energia Eólica, Mecânica, Naval e Offshore, Automotiva, Elétrica, Construção Civil, Química, Petroquímica e Biotecnologia, Farmacêutica, Celulose e Papel, e Petróleo e Gás. “Para começar a operar, já estamos em negociação com várias empresas e projetos, em setores como o da mineração”, adianta Luis Breda, diretor adjunto do Senai Cimatec.

    Em equipamentos como o Cimatec Industrial, as indústrias podem treinar sua mão de obra, testar novos modelos de negócios, desenvolver e aplicar novas tecnologias a partir da integração entre teoria e prática e colaboração de expertises de diferentes campos de conhecimento. 

    “A indústria brasileira ainda está defasada, visto que a maior parte das empresas não está preparada para atender os padrões exigidos para uma indústria 4.0”, afirma o presidente da Federação das Indústrias da Fieb, Ricardo Alban. Segundo ele, apesar de os empresários saberem que a revolução digital está em curso, muitos se sentem pressionados pelo momento ruim da economia e postergam os investimentos. “O problema é que muitas dessas empresas podem perder o ‘timing’ e deixar de ser competitivas”, alerta.

    Frutos

    O Cimatec Industrial será o segundo centro tecnológico da Fieb. O primeiro funciona na Avenda Orlando Gomes, em Salvador, e foi inaugurado em 2002. Ou seja, a necessidade de inovação e de uma nova revolução industrial está no radar dos industriais baianos há quase duas décadas. E os frutos dessa visão estratégica já são collhidos,  beneficiando não só  a Bahia. “Quase todos os clientes do nosso centro tecnológico são de outras partes do Brasil, porque entenderam que muitas das soluções que precisam podem ser desenvolvidas aqui”, diz Alban. 

    Um desses clientes é a gigante petrolífera Shell, que desde 2018 mantém um contrato com a britânica Innospection e o Senai Cimatec para o desenvolvimento de um robô para a inspeção de tanques de carga em serviço de navios-plataforma (FPSOs).  O desenvolvimento dessa ferramenta permitirá uma maior eficiência na inspeção de tanques de armazenamento de óleo, melhorando a integridade e a segurança dos navios-plataforma. Veja ao lado novo exemplos de inovação da indústria baiana. 


    Centro desenvolve submarino autônomo

    O FlatFish é dos maiores exemplos de pesquisa e desenvolvimento de produtos tecnológicos na Bahia. Trata-se de um veículo submarino autônomo capaz de realizar inspeções visuais em 3D de alta resolução para alcançar níveis avançados na exploração de petróleo e gás em águas profundas.

    Desenvolvido no Cimatec, o Flatfish é exemplo de inovação na Bahia
    (Foto: Divulgação)

    Pioneiro no país, o protótipo é desenvolvido no Senai Cimatec em parceria com a BG Brasil e garante maior segurança operacional e ambiental, além de reduzir os custos atuais para operações desse tipo.

    Outro ponto alto do Cimatec é o Centro de Supercomputação para Inovação Industrial, graças aos supercomputadores Yomoja, o segundo mais potente da América Latina, Omolu, montado em parceria com a Fiocruz para processamento de dados de pesquisas na saúde pública, e Ògún, que realiza simulações e modelagens essenciais para garantir processos de inovação na indústria.
     

    Startup oferece drones para indústrias

    A Dronesapps é uma startup instalada no Hub Salvador. Ela desenvolve e comercializa a Solução Tecnológica de Inspeção, Fiscalização e Monitoramento (STI), responsável por implantar a tecnologia dos drones nas organizações. “Possuímos dois drones de arquitetura multirrotor, com diferentes tecnologias embarcadas, para atender na prestação de serviço de inspeção, fiscalização, monitoração e mapeamento em ambientes externos, internos e espaço confinado e de difícil acesso”, explica o CEO da empresa Luís Andrade. 

    A aeronave é a única no mundo específica para silos e reatores
    (Foto: Divulgação)

    O Drone ELIOS, usado pela empresa, é atualmente a única aeronave no mundo específica para espaços confinados e de difícil acesso, tais como: Silos, Caldeiras, Tubulações, Reatores, Galerias, Tanques, Torres, Lastros e Minas, devido a suas tecnologias embarcadas de proteção, de sistema de LED (iluminação) e de câmeras.
     

    Camisas com carbono zero

    Radiofrequência  A fábrica Camisas Polo, situada no Condomínio Bahia Têxtil, no bairro Uruguai, tem a meta de fabricar as primeiras camisas ‘carbono zero’ do planeta. A utilização da tecnologia de radiofrequência no controle da produção, estoque e expedição é a atual inovação dessa pequena indústria.  O processo elimina o contato físico na pesagem, embalagem e localização dos produtos e elimina a necessidade de que as embalagens sejam abertas.


    Plástico 100% reciclável

    Garrafas Pet  A Braskem, petroquímica baiana que é a maior produtora de resinas termoplásticas das Américas, iniciará em breve a produção da principal matéria-prima para as garrafas PET a partir da cana-de-açúcar. Quando o projeto adquirir escala industrial, será possível encontrar no mercado um produto feito de matriz 100% reciclável. A resina foi desenvolvida em parceria com a startup norueguesa Haldortopsoe para incrementar o reaproveitamento do plástico.


    CAMPO TAMBÉM ESTÁ MAIS TECNOLÓGICO

    Se engana quem acha que o campo não está antenado à nova era industrial. Graças ao uso cada vez maior da tecnologia, produtores de grãos e de algodão da Região Oeste da Bahia batem sucessivos recordes de produção. Neste ano, a  produtividade média nos campos de algodão  deve alcançar 300 arrobas por hectare, e o volume produzido deve ser até 15% maior que em 2018. 

    Plantadeira Absoluta é uma das máquinas mais modernas do setor
    (Foto: Divulgação)

    A Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba) projeta, ainda, uma colheita de 5 milhões de toneladas de soja. “Já é o segundo ano consecutivo que o Oeste deve colher bem, isso faz com que o agricultor invista mais, adquira maquinários, insumos e tecnologia”, afirma o presidente da Aiba, Celestino Zanella. 

    Entre as máquinas e sistemas futuristas com foco na agricultura de precisão que já são realidade no Oeste está a plataforma de gerenciamento de dados online Operations Center, da Agrosul – John Deere. “Durante o plantio, o cruzamento de dados permite que o agricultor identifique oportunidades de redução de custos, otimização da operação das máquinas e zonas de manejo, tudo de forma segura, centralizada e à distância”, explica a gerente de marketing da empresa, Camila Macedo.

    Outra máquina que alia tecnologia ao campo é a plantadeira Absoluta, fabricada pela Stara. É a única no mercado com cinco módulos e GPS genuinamente brasileiro. “É a vedete da fábrica porque tem o melhor desempenho em condições adversas e garante alta produtividade”, fala o proprietário da empresa, Pedro Hersen.




     

    Companhias aéreas estrangeiras de baixo custo negociam vinda para Salvador


    Pelo menos duas companhias  aéreas estrangeiras que atuam no segmento de baixo custo (low cost) mantêm negociações avançadas com a prefeitura de Salvador e o Grupo Vinci para operar no aeroporto da capital, a reboque da aprovação da MP que abre o...

    Pelo menos duas companhias  aéreas estrangeiras que atuam no segmento de baixo custo (low cost) mantêm negociações avançadas com a prefeitura de Salvador e o Grupo Vinci para operar no aeroporto da capital, a reboque da aprovação da MP que abre o mercado nacional para empresas do exterior. Uma delas é a Norwegian Air. De origem norueguesa, mas com centro de expansão a partir de sua subsidiária instalada em Londres, a Norwegian é a terceira maior companhia low cost da Europa. No fim do ano passado, emissários da prefeitura e do Grupo Vinci ofereceram um pacote de incentivos para atrair voos internacionais da Norwegian para Salvador. Entre os quais, um gordo fundo de marketing para promover e comercializar as novas rotas. Com o mercado do Brasil aberto, as conversas ganharam fôlego.

    Dendê no mapa
    As negociações incluem a criação de uma empresa nacional controlada pela Norwegian para operar também, de Salvador, voos domésticos, nos moldes do que a empresa fez na Argentina.

    Entre hermanos
    A aprovação da MP das aéreas estrangeiras pelo Congresso, na última quarta-feira, vitaminou também as tratativas com a cúpula da Sky Airlines, empresa de baixo custo sediada no Chile. A oferta é semelhante à da Norwegian, embora envolvam montantes em menor escala. “A Sky pode começar a operar rotas domésticas a partir de Salvador, além de trechos internacionais, a partir da próxima alta estação. Há um grande otimismo no setor, sobretudo, com a possibilidade de ter companhia de baixo custo operando na cidade e oferecendo voos mais baratos”, destaca o secretário de Turismo e Cultura de Salvador, Cláudio Tinoco.

    Céu de brigadeiro
    Ao mesmo tempo, a Air Europa, primeira estrangeira liberada pela Anac a operar em território brasileiro dentro das novas regras, vai apostar alto no aeroporto de Salvador para expandir sua operação no país. A maior hipótese é de que a companhia espanhola instale na capital uma base de distribuição de rotas domésticas e internacionais. “Ela já tem três voos semanais, contratos de abastecimento e tripulação treinada aqui, além de ótima relação conosco, fruto de um trabalho que tocamos nos últimos anos”, afirma Cláudio Tinoco.

    Conta no radar
    O Ministério Público estadual (MP) instaurou inquérito para investigar suspeitas de irregularidades na contratação, pelo governo do estado, da banda Aviões do Forró e do cantor sertanejo Jonas Esticado para se apresentarem na inauguração da Policlínica de Guanambi, em novembro de 2017. À época, a oposição questionou o repasse de  R$ 277 mil para shows realizados em dia de evento público com participação do governador Rui Costa (PT), assim como ocorreu nas inaugurações de unidades de saúde em Jequié e Ilhéus.

    Sem acordo
    Apesar da tentativa do secretário estadual do Turismo, Fausto Franco, de quebrar resistências ao uso do Palácio Rio Branco como hotel, o Instituto de Arquitetos do Brasil deixou claro a ele que vai brigar contra a ideia.

    "Esse cenário não prejudica apenas a classe médica, mas causa prejuízos especialmente aos mais de 500 mil servidores que dependem  do plano e não conseguem uma consulta médica com facilidade", disse Alan Sanches.

    Deputado estadual do DEM, ao pedir a criação de uma força-tarefa voltada, segundo ele, a ‘salvar o Planserv’